segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Uma fatia de bolo de aniversário

para Teresa um poeminha impreciso como um soprar de velas...

 Teresa preta
se preta ela for
no branco do céu azul
o Pathernon, o Louvre, o Arpoador
um cavalinho e uma prosa
de dedos, angústias, risos e desejos

Teresa suspensa
se espanta na balança
de somas injustas
na oscilação dos pratos gastos
no latejar dos calos
amordaçados nos sapatos

Teresa com 's' e não com 'z'
e esse detalhe se basta
simples assim pedir-fazer
menção a uma dose de cachaça
um bem querer que foge
ao toque das mãos: amigos-irmãos...


Fran Yan Taveres

3 comentários:

Lara Virgínia disse...

Parabéns moça queridaaaa!!!!
=**

Teresa Maia disse...

Nem mereço essa coisa mais linda. Nem sei agradecer. te amoooo!! e so tenho mãos e pés pra prosa contigo...

Danilo Cruz disse...

Poesia global. cheia de lugares, de amores, de céu azul.. muito boa !



http://purasubstancia.blogspot.com/